domingo, 23 de julho de 2017

Bolo simples de cenoura

Perdemos o hábito de comer bolos quando iniciamos este novo estilo de vida. Foi algo que aconteceu naturalmente. Embora a primeira semana não tenha sido fácil e a ressaca de açúcar dolorosa e insuportável, a verdade é que saí vitoriosa do braço de ferro. Os meus apetites por doces reduziram substancialmente cingindo-se a dias muito específicos do mês se é que me entendem... 

No entanto, a Joana às vezes pede bolos. As visitas pontuais também. E outras vezes apetece fazer só porque sim. 

Este bolo aconteceu assim, num domingo em que já tinha o forno ligado... Fiz, comi duas fatias ainda morno (lambona!) e o resto congelei. Está guardado para uma vontade repentina. E que bem que sabe muito de vez enquando. 

Claro está, sem açúcar e farinha refinados. Muito simples, mas para comer, ainda assim, com moderação. A aveia, embora sem glúten, está na zona cinzenta... E não devemos abusar do consumo de frutos secos.


 
 
 
 
 
Bolo de cenoura

Ingredientes:
- 2 cenouras (80 gr)
- 5 ovos
- 20 gr de azeite
- 2 colheres de sopa de mel (50 gr)
- 100 gr de aveia sem glúten
- 100 gr de farinha de amêndoa
- 50 gr de polvilho doce
- 1 colher de chá de fermento


Preparação:
Pré aqueca o forno a 180º e forre com papel vegetal uma forma de bolo inglês.

Separe as gemas das claras e bata as claras em castelo. Reserve.

Num outro recipiente bata as gemas, com o mel e o azeite até obter um creme fofo e esbranquiçado.

Reduza a aveia a farinha e junte aos restantes ingredientes secos.

Rale a cenoura e junte à gemada. Adicione, de forma alternada, colheradas de ingredientes secos e de claras em castelo, à mistura de gemas e cenoura. 

Quando a massa estiver bem ligada coloque na forma e leve ao forno por 45 minutos ou até que faça o teste do palito e este saia limpo. 

Para visitas não paleo ou mais gulosas pode juntar um fio de mel por cima a gosto.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Iogurte

O pequeno almoço sempre foi uma das minhas refeições preferias. É indiscutível. Adoro petiscar e esta é de todas as refeições a que me permite ser mais criativa. Embora nem todos os pequenos almoços passem por mim, na verdade, cá por casa é mais 50% - 50%. 

E a sugestão de pequeno almoço que trago hoje foi na verdade uma criação do meu querido marido. Confesso que me soube lindamente e apesar de saber que não devia comer tanta fruta ao pequeno almoço e que a fruta deve ser encarada como uma sobremesa, dias não são dias... 

Mais uma sugestão rápida que se faz em pouquíssimo tempo e que acompanhou lindamente com um ovo estrelado e uma fatia de queijo.

 
 
 
Iogurte com fruta
[serve 2 pessoas]

Ingredientes:
- 8 colheres de sopa de iogurte grego natural (ou a gosto)
- 1 banana
- 2 morangos
- 2 maracujás
- 10 mirtilos
- pinhões qb

Preparação:
Coloque os pinhões numa frigideira anti aderente e torre ligeiramente. O toque torrado vai fazer toda a diferença no final.

Distribua o iogurte grego por duas tigelas. Corte a banana e dívida pelas duas taças. Coloque um morango lavado e sem pé em cada uma delas. Distribua os mirtilos e a polpa de um maracujá em cada taça. 

Finalize com os pinhões acabados de torrar.


O nosso palato já se habituou ao sabor acre do iogurte grego sem açúcar e o doce da fruta é mais do que suficiente. No entanto, caso ache que fica demasiado azedo, pode adicionar um fio de mel.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Batata doce recheada

Adoro batata doce. Engraçado como até à pouco tempo era um tuberculo que raramente entrava cá em casa. Não fazia parte das minhas compras habituais, nem nunca fez das dos meus pais.

Hoje não a dispenso ao contrário da batata comum que radicalmente foi excluída da nossa alimentação. É claro que não deixa de ter hidratos de carbono, mas não me importo mesmo nada de trocar outros hidratos por este.

A sua versatilidade é incrível e cá por casa tanto a comemos cozida, como assada, como recheada, como em sobremesas. A imaginação é o limite.

As batatas doces que trago hoje serviram para acompanhar um prato de carne, mas podem perfeitamente ser uma refeição por si só. São deliciosas e adoro o contraste entre o quente da batata e o frio  do queijo feta, o doce da batata, o ácido do tomate e o salgado do queijo. 

Experimente que aposto que vai adorar!

 
 


Batata doce assada recheada

Ingredientes:
- 2 batatas doces
- 1 tomate
- 1/2 cebola roxa
- 6 azeitonas descaroçadas
- queijo feta qb
- sal, azeite, salsa e sumo de limão qb
 

Preparação:
Pré-aqueca o forno a 200º e asse as batatas até que estejam tenras (cerca de 30 minutos, depende do tamanho).

Corte o tomate e a cebola em cubinhos (tipo salsa mexicana). Tempere com sal, azeite e sumo de limão. Adicione salsa picada. Reserve.

Abra as batatas doces e em cima de cada abertura deite o tomate, metade das azeitonas e queijo feta a gosto esfarelado.

São um ótimo acompanhamento de um prato de carne (estas serviram para acompanhar uma bifana de porco preto) ou como prato principal. O doce e quente da batata contrasta lindamente com o ácido do tempero do tomate.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Salsa de ananás

Adoro sabores mexicanos. E é inevitável que num dos dias da semana haja uma refeição, ou parte dela, que tenha inspiração mexicana.

Num destes dias fiz uma salsa mexicana ligeiramente diferente, mais fresca, e mais apropriada para acompanhar uns ovos mexidos ao pequeno almoço. Soa estranho e talvez algumas pessoas achem uma verdadeira bomba logo pela manhã, mas garanto que é muito ligeiro é muito saboroso. Faz-nos começar o dia bem dispostos e cheia de energia, sem dúvida!

Os sabores agridoces ligam lindamente e esta salsa é perfeita enquanto acompanhamento, mas também podera resultar muito bem num lanche a meio da tarde. Servidos?

 
 
Salsa de abacaxi
[serve 2]

Ingredientes:
- 1 tomate não demasiado maduro
- 1/2 cebola roxa
- 3 hastes de salsa
- 1 fatia pequena de abacaxi fresco
- sal, azeite, sumo de lima/limão qb

Preparação:
Lave bem o tomate e corte-o em cubos pequenos. Reserve numa taça. Pique a cebola roxa em cubinhos muito pequeninos e junte ao tomate.

Corte o abacaxi em cubos de tamanho idêntico aos do tomate e adicione à tigela reservada. Pique a salsa e adicione.

Tempere de sal, azeite e sumo de limão/lima. Deixe repousar cerca de 10 minutos antes de servir. Faz toda a diferença para o tomate e ananás absorverem os temperos.


terça-feira, 18 de julho de 2017

A minha salada preferida

Não sou fã de saladas simples. Tomate e alface. Gosto de fazer misturas intensas, salgados e doces. E gosto de ser surpreendida quando vou a um restaurante e me servem uma salada que me fascine. Foi isso que aconteceu no restaurante Ritual em Milfontes. Um restaurante com muitas opções Paleo e que tem na ementa a salada, que para mim, é a rainha de todas as saladas. 

Sempre que lá vou peço-a e de cada vez que a como descubro um novo sabor, uma nova combinação, uma nova harmonia que me fascina. É BRUTAL!

Claro está que não descansei enquanto não tentei fazer uma versão aproximada... Não está exatamente igual, até porque a original leva passas e na minha versão me esqueci de por (numa próxima já não escapa). Mas foi uma salada muito apreciada num jantar de amigos cá em casa. 

 
 
 

Salada de queijo de cabra

Ingredientes:
- rodelas de queijo chévre a gosto
- açúcar de coco qb
- mistura de alface e rúcula qb
- tomate cherry a gosto
- pinhões e amêndoas qb
- sal, azeite, vinagre balsâmico, limão e mel qb

Preparação:
Numa saladeira distribua uma mistura de alface e rúcula. Corte os tomates cherry em quartos e adicione à saladeira.

Coloque pinhões e amêndoas numa frigideira anti-aderente e deixe alourar ligeiramente. Salpique com um fio de mel é uma pitada de sal e mexa sempre até ganhar cor e retire do lume deixando arrefecer bem. Reserve.

Distribua em cima de cada rodela de queijo chévre uma pitada de açúcar de coco e com uma maçarico queime até que obtenha uma vidrado. Adicione à salada.

Prepare o molho com que vai temperar a salada com azeite, vinagre balsâmico, um pouco de mel (só para equilibrar) e sal e umas gotas de sumo de limão. Vá adicionando e provando até chegar ao equilíbrio. 

Monte a salada como vê na foto e regue no momento de servir com o molho.


domingo, 9 de julho de 2017

Bacalhau quase à lagareiro

Cá em casa a adaptação a esta nova forma de comer não tem sido complicada. A parte complicada é só organizar as ideias, as inspirações que vejo aqui e ali e consolidar toda a informação que ainda estou a absorver.

O plano tem passado por simplificar e pegar nos pratos do dia a dia e criar alternativas dentro do regime que seguimos. 

Neste caminho temos encontrado combinações surpreendentes como a receita que trago hoje. Um bacalhau que estava destinado a ser feito à lagareiro e acompanhado de batata a murro, acabou por ser um bacalhau assado com pimentos, acompanhado de brócolos que, tímidos, acabaram por não pousar para a fotografia. Mas fica a sugestão. Simples, descomplicada e deliciosa.

 
 
 
Bacalhau assado com pimentos
[Serve 2 pessoas]

Ingredientes:
- 1 posta de bacalhau grande e alta para assar, demolhada
- 1 pimento verde
- 1 pimento vermelho
- 2 dentes de alho
- azeite e vinagre qb

Preparação:
Asse os pimentos. Depois da pele estar queimada, debaixo de água corrente, elimine o interior e a pele, tendo cuidado para não se queimar. Corte em tiras finas e reserve.

Leve o bacalhau a assar. Numa frigideira coloque o alho laminado e azeite qb (vai servir para temperar os pimentos que vão regar o bacalhau). Deixe alourar ligeiramente. Verta sobre os pimentos e tempere com vinagre a gosto.

Coloque o bacalhau assado numa travessa e disponha por cima os pimentos assados já temperados.

Sirva acompanhado com legumes cozidos, nomeadamente, brócolos.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Raia de alhada

Sempre que podemos fugimos para o litoral alentejano. O tempo ali anda de forma diferente, tudo tem outro cheiro, outra vida. E não escondo a vontade de um dia me mudar definitivamente para lá.

Uma das coisas que fazemos sempre que vamos é aproveitar a proximidade com o produtor e abastecemo-nos de carne, peixe, fruta e vegetais. Vamos a Aljezur comprar peixe e carne, vamos a Odemira comprar queijos e frutos vermelhos, vamos às Brunheiras comprar ovos caseiros, frutas e vegetais acabados de colher. 

E sempre que voltamos a Lisboa levamos o carro cheio de arcas carregadas de coisas boas e a cabeça mais limpa. 

Numa das [muitas] idas à praça de Aljezur compramos uma raia. Há quem a goste de comer em caldeirada, cá por casa gostamos de lhe dar outros destinos...

Um dos destinos deste peixe maravilhoso foi esta alhada. Uma alhada com alcaparras à mistura, mas que ligaram lindamente e quebraram o adocicado deste peixe.

Às vezes fazemos este mesmo molho mas com outros peixes que ligam igualmente bem, mas com esta raia o casamento foi perfeito. Tão simples e tão bom.

 

 
 

Raia de alhada com alcaparras

Ingredientes:
- 1 raia cortada em postas
- 6 dentes de alho
- 1 folha de louro
- 3 colheres de sopa de alcaparras
- sal, azeite e salsa qb

Preparação:
Pré-aqueca o forno a 200º.

Numa frigideira deite um fio de azeite e aloure as postas de raia temperadas com um pouco de sal. O objetivo é só dares-lhe cor porque vão terminar de cozinhar no forno. Reserve.

Junte os dentes de alho laminados, as alcaparras e a folha de louro e deixe alourar ligeiramente. Adicione mais azeite se necessário. 

Adicione as postas de raia reservadas e leve ao forno por cerca de 10 minutos.

Finalize com salsa picada e caso aprecie com umas gostas de sumo de limão.